quinta-feira, maio 07, 2015

FELIS CATUS LUDENS



Põe o mesmo ardor para brincar
com o rato e com a folha de prata”

György Somlyó (Hungria, 1920-2006)



Em busca da felicidade da caça, o gato
Brinca com o papel de prata, o brilho
Apela nele instintos de beleza, como
Brinca com a mosca, é um ritual
De existência,  dar movimento a tudo
Mesmo com leves toques
O que está parado move-se.

Um frasco pode partir o perfume interior
Em mil asas pela casa, de cima da mesa
A maçã rola imprudente para o chão,
Um sofá muda de aspecto e mostra-se
Na sua nudez por dentro,
Os gatos repetem tudo,  podem repetir
Até sete vezes a vida.

07-05-2015

©

sexta-feira, maio 01, 2015

A PROCURA DO AMADO NO CÂNTICO DOS CÂNTICOS




A escuridão fecha os nossos olhos, a névoa
Às vezes humedece a tristeza das pupilas,
O nosso coração cansa-se
Embriagado do seu próprio vinho.
Subimos desertos encostados ao seu peito,
Para onde foi o nosso amado? Que rumo tomou,
Os lírios foram a sua fronteira? Ou as estrelas
Mais altas cobriram-se à sua passagem?


Que faremos sem o nosso amado, somos fiéis,
Nossas  mãos não tocaram outras mãos, os lábios
Nunca tiveram outro nome, nossos ouvidos
Outros canteiros de jardim senão as suas palavras,
Os nossos cabelos outro odor. Não abriremos
Mais romãs à tua espera. Vem!
Os companheiros estão atentos
Já limpamos as nuvens que empalidecem os telhados.

15-03-2015

© 

segunda-feira, abril 27, 2015

É TERRÍVEL SER O SENHOR



"E o Verbo se fez carne e habitou entre nós"
Jo. 1,14


É terrível ser o Senhor e estar sentado à mesa
entre os homens, subir a crosta da terra
até ao cume onde já foram contados outros
malfeitores, andar entre leprosos com a carne
diáfana e pura de ser Deus, partilhar
de todas as manhãs como artesão do sol
É terrível ser o Senhor entre cegos
e andar eterno no limite temporal.



14-04-2015
© 


terça-feira, abril 14, 2015

BOTTICELLI





Nua, de pé, com o corpo de antigo Paraíso
Guarda com cinco dedos
Um  seio e a janela para vida, rosto
De menina que substitui o sol, o fogo
Nos cabelos, e os dois olhos suaves
Com um olhar que não foge para longe
Sereno, que o vento de Zéfiro não perturba
Vénus que emerge de uma flor do mar
Bordado pela espuma.

12-04-2014
©

quinta-feira, abril 02, 2015

PILATOS DIRIGE-SE AOS JUDEUS - IV







Eis o homem
que chegou aqui pelo valor mais baixo
que às vezes tem o beijo, o da traição
Este que chegou a golpes de chicote pelo corpo
e pelas faces em silêncio que oferecia
às bofetadas. Este que chegou aqui 
pelo crime de ser Deus
com uma cruz difícil sobre as costas.

02-04-2015
©

domingo, março 29, 2015

BEFORE THE FALL








“A rebeldia –e o fruto”
John Milton(“Paraíso Perdido”)


 O fruto desenhava-se no ramo, o princípio
da esfera, maçã ou outro pouco importa,
o volume era o da esfera, permanente
circulo da vida para a morte, o fruto
preso  à gravidade da ciência
do bem do mal da tristeza de saber.
O fruto desenhava-se no ar fresco da tarde
e na noite de prata
mais para os olhos famintos do que os lábios,
até ao coração da mulher escarlate.


29-03-2015

©

sexta-feira, março 20, 2015

DOM QUIXOTE SEM REALIDADE




 “e não durmo, abrasado, e janto apenas nuvens”
Carlos Drummond de Andrade


Vive, ainda, num lugar da Mancha, de cuja
Imortalidade só um nome resta, o Quixote
Só a lança e a espada são reais nas suas mãos            
Metal a balouçar no vento
E Rocinante
No qual cavalga toda a Espanha


Cinquenta anos, seco de carnes, rosto
Enxuto, olhar rijo contra moinhos
Vara de porcos e odres de vinho
Mulheres?  Só uma
Dulcinea,  que no coração do Quixote
O tropel acalma das vitórias.


20-03-2015

©