sábado, agosto 01, 2015

PRADO




Chegamos a este lugar, as pessoas
Que aqui estão há anos nas paredes
Ouviram conversas, olham os nossos espantos
Sorriem com a certeza do passado
Às dúvidas que carregamos, os olhos
Dos retratos fixam os rios interiores
Do nosso coração, nas sombras
Rembrandt vê-nos com desdém
De jovem artista.


31-7-2015
©

            

segunda-feira, julho 27, 2015

GROUND ZERO




Nunca se sentiu tão próximo da Vida
e próximo da Morte
lá em baixo.

Nova Iorque, 24-7-2015
© 

domingo, julho 05, 2015

EURÍDICE



 “De pé nas lages da entrada do Hades
Orfeu curva-se a uma rajada de vento” 
Czeslaw Milosz


 foi o amor um perigo mortal, tanto como foi belo
Orfeu estar de novo defronte do rosto de Eurídice,
depois de vencer o vento, ninguém pode
nem os deuses podem contra o amor
pensava Orfeu.

ousou assim entrar na morte e trazer a amada
amaciando o coração do Hades,
com os cristais do portal da vida quase à mão.

mas como a morte tem os seus caminhos,
foi o desejo que fez Orfeu perder-se
a olhar para trás, e assim perder para sempre
o objecto do amor.   

23-06-2015
©


sábado, junho 13, 2015

POEMA DO MEDO

“E não quis que me visses nu. Então escondi-me.”
Adão



Tive medo e regressei
para trás das árvores, das folhas
entrevi Teu rosto, não quis que me visses nu.
Então escondi os meus ouvidos,
onde a Tua voz não chegasse, ou chegasse
suavizada só pelo amor à natureza,
tive medo e quis regressar ao pó.

16-03-2015

© 

terça-feira, junho 09, 2015

Apenas o Salmo 8 escrito por um simples poeta de província



Não se pode averiguar o peso quântico da eternidade
Na oficina celeste, todos os anjos reunidos
Não sabem a mais leve partícula do nome Deus
Não há espaço no Céu para conter Deus
Todo o Céu fica aquém, só as Suas mãos
Que fazem e desfazem astros estão para lá de tudo
O que nos adormece em segurança quando olhamos
O Espaço, quem somos nós para limitar Deus ao quarto
Onde dobramos os joelhos e citamos várias vezes a nossa vontade
E contudo
Não sendo o Seu corpo que habita nos templos
Feitos pelas mãos dos homens
Só o Seu olhar  agrega-nos a todos como um alvo
Do Seu Amor no fio do horizonte.

09-06-2015
©  


sexta-feira, maio 29, 2015

NOTÍCIA DO CERCO DE BIZÂNCIO




Assim foi que, estando a cidade sitiada,
Mais do que os baluartes guarnecidos,
Era urgente distinguir o sexo
Dos anjos, a forma exuberante
Das suas asas, se o seu corpo
É o da mulher jovem com um busto fresco
Ou o do mancebo com músculos rectilíneos.
Assim foi
Quando era preciso que rezassem com os joelhos
Dobrados, os monges discutiam
Com a harpa do sexo escondida nas cabeças.

20-05-2015
© 

quinta-feira, maio 07, 2015

FELIS CATUS LUDENS



Põe o mesmo ardor para brincar
com o rato e com a folha de prata”

György Somlyó (Hungria, 1920-2006)



Em busca da felicidade da caça, o gato
Brinca com o papel de prata, o brilho
Apela nele instintos de beleza, como
Brinca com a mosca, é um ritual
De existência,  dar movimento a tudo
Mesmo com leves toques
O que está parado move-se.

Um frasco pode partir o perfume interior
Em mil asas pela casa, de cima da mesa
A maçã rola imprudente para o chão,
Um sofá muda de aspecto e mostra-se
Na sua nudez por dentro,
Os gatos repetem tudo,  podem repetir
Até sete vezes a vida.

07-05-2015

©